De longe eu vim
Fugitiva do que amei
Nos caminhos por onde andei
Só não pude fugir de mim

Por onde eu for
Solidão quero encontrar
Ela mesma há de me ensinar
Em silêncio, a negar o amor

Eu fui mais um, lugar comum
Da crença fatal de gostar
Alguém que fui, deixei de ser
E agora preciso esquecer

De longe eu vim, e assim mesmo
Estou perto demais
Na memória não se desfaz
O que vive em mim

Send Translation Add to playlist Size Tab Print Correct
Written by: Nazareno de Brito / Renato De Oliveira. Isn't this right? Let us know.