Menino de Rua (moda de Viola)

Gabriel Valim

vistas 21

A maldade veio a tona veja o que aconteceu
É o preço do pecado quando o homem é ateu
Vinde a mim as criancinhas disse o filho de Deus
Mas tem pai que não se preza e abandona o filho seu

E assim o tempo passa e a história continua
Sem o pai e sem a mãe virou menino de rua
Aprendeu só a maldade mas não era culpa sua
Vivia fumando craque e fazendo travessuras

Levaram para FEBEM mas de nada adiantou
De um pequeno trombadinha num bandido transformou
Sua revolta era tanta que medo não tinha mais
Matava a sangue frio por trocados de reais

Num final de madrugada um velhinho ele rendeu
Com seu 38 em punho um assalto cometeu
A Vítima sem saída implorou pelo amor de Deus
Leve tudo e não me mate seu pedido ele atendeu

Levou a sua carteira relógio e tudo mais
E correndo em aflição nem sequer olhou pra traz
Ao chegar no seu recinto ele não acreditou
revirando os documentos de emoção ele chorou

Sobre o verso de um cartão um telefone encontrou
Não pensou nem duas vezes na mesma hora ligou
Uma voz meio assustada atendeu dizendo alô
Liguei pra pedir perdão
Dessa forma ele falou

Vem pegar seus documentos que a pouco eu roubei
Seu dinheiro está comigo nem um centavo gastei
Sou aquele marginal que ainda a pouco te roubou
Também sou aquele filho que senhor abandonou