É um atentado à moral
E aos bons costumes vigentes
Por certo inconveniente
Deixar esse homem doente
Perambular pelas ruas
A cometer tais falcatruas

Incompatível com os estatutos
Dessa nossa gafieira
Dançar dessa maneira
Desrespeitando o salão
Ferindo as regras do padrão

Fere as normas do edital de formação
Da nossa firma atual
Esse homem está enfermo
E nem precisa exame sério
Seu mal está constatado
Depressa, depressa
Põe no hospital

Deve ficar bem isolado
Em um quarto bem fechado
Sem portas ou janelas
Pois, pode ser contagiante

Dieta mais que rigorosa
Medicação bem adequada
E muita, muita observação
Pra que não haja agravante

E em tempo hábil deve ter
Até o centro de controle
Para testar a sua boa condição
Se está fechada a ferida

Seu caso deve ser lá anotado
Pro seu mau ser vigiado
Ele requer muita atenção

Seu nome deve ser lá anotado
Pro seu mau ser vigiado
Ele requer muita atenção

Pois, traz perigo à nossa vida
Não dou amparo, nem guarida
Dou guaraná com formicida
Ou até mesmo pesticida
Pra acalmar minha dormida
Não tô afim de pôr em risco
A minha condição

Tá certo, doutor?

Send Translation Add to playlist Size Tab Print Correct