vistas 84

Chegou no porto um canhão
Dentro de uma canhoneira, neira, neira
Tem um capitão calado
De uma tristeza indefesa, esa, esa
Deus salve sua chegada
Deus salve a sua beleza
Chegou no porto um canhão
De repente matou tudo, tudo, tudo
Capitão senta na mesa
Com sua fome e tristeza, esa, esa
Deus salve sua rainha
Deus salve a bandeira inglesa
Minha vida e minha sorte
Numa bandeja de prata, prata, prata
Eu daria à corte atenta
Com o cacau dessa mata, mata, mata
Todo o cacau dessa mata, mata, mata
Daria à corte e à rainha
Numa bandeja de prata, prata, prata
Pra ver o capitão sorrindo
Foi-se embora a canhoneira
Sua pólvora e seu canhão, canhão, canhão
Porão e barriga cheia
Vai mais triste o capitão
Levando cacau e sangue, sangue, sangue
Deus salve sua rainha
Deus salve a fome que ele tinha