Ouço o medo a sussurrar
sinto a sombra me envolver
olhos grandes vem sugar
e eu nada vou temer

Olhos grandes, secos, frios
por trás deles o vazio
a fraqueza é uma prisão
é agora, luz, ação!

Quantos homens se rastejam
temem sombras da verdade
homens fortes de joelhos,
dedo fraco, desespero

Caos mental geral, medo preso
Caos mental geral, medo preso
Caos mental geral, medo preso
Caos mental geral, desespero

É de noite na estação
sangue fresco, aflição
é no beco, é no bar
só a voz sussurrando

Crime, instinto, é o furor
sado-maso, céu sem cor
meus amigos vão voltar
só que eu já não vou estar lá

obsesso, possuído,
na sarjeta esquecido
álcool, sombras, pedras, gritos
qual de nós parou pra pensar

Texto do encarte: "O bang-bang da madrugada fria e sombria no porão das nossas mentes durante o medo, o desespero..."

Send Translation Add to playlist Size Tab Print Correct