Quando se ateia em nós um fogo preso
O corpo a corpo em que ele vai girando
Faz o meu corpo arder no teu aceso
E nos calcina e assim nos vai matando
Essa luz repentina
Até perder alento
E então é quando
A sombra se ilumina
E é tudo esquecimento
Tão violento e brando
Sacode a luz o nosso ser surpreso
E devastados nós vamos a seu mando
Nessa prisão o mundo perde o peso
E em fogo preso à noite as chamas vão pairando
E vão-se libertando
Fogo e contemplamento
A revoar num bando
De beijos tão sem tento
Que não sabemos quando
São fogo, ou água, ou vento
A revoar num bando
De beijos tão sem tento
Que perdem o comando
Do próprio esquecimento

Submit Translation Add to playlist Size Tab Print Correct