Photo of the artist Moacyr Franco

Balada do Amor Sublime

Moacyr Franco


Sem sofrer
Não se aprende amar
Louvo a Deus meu sofrimento
E a vontade que eu sinto de chorar

Pois despertei
A tristeza enfim
A beleza divinal
Do amor dentro de mim

O ciúme eu sei
Não é tolice que a gente tem
É somente a dor desconfiada
De saber que o que é nosso
Possa ser de outros também

Ô..ô..ô...
Ô..ô..ô...
Ô..ô..ô...
Ô..ô..ô...

Pois despertei
Da tristeza enfim
A beleza divinal
Do amor dentro de mim.

Send Translation Add to playlist Size Tab Print Correct