Há sempre um tempo no tempo em que o corpo do homem apodrece
E sua alma cansada, penada, se afunda no chão
E o bruxo do luxo baixado o capucho
Chorando num nicho capacho do lixo
Caprichos não mais voltarão

Já houve um tempo em que o tempo parou de passar
E um tal de homo sapiens não soube disso aproveitar
Chorando, sorrindo, falando em calar
Pensando em pensar quando o tempo parar de passar

Há sempre um tempo no tempo em que o corpo do homem apodrece
E sua alma cansada, penada, se afunda no chão
E o bruxo do luxo baixado o capucho
Chorando num nicho capacho do lixo
Caprichos não mais voltarão

Mas se entre lágrimas você se achar e pensar que está a chorar
Este era o tempo em que o tempo é

Send Translation Add to playlist Size Tab Print Correct