views 38

Orquídea que nunca soube ser flor
No auge de sua inocência vulgar me cativa
Mas não quer me dar amor
Não tem culpa nem vontade, ou torpor
Traga seu trago, me ofusca com poucos verbos
Traga seu rosto e arranhe o meu gosto
Traga seu jeito, manifesto o meu desejo por meio de gracejos sem graça
Te dou as costas se queres,meu bem,sei que não quer ir além
Fecho as portas se pedes, amor, nunca quis o meu calor
Repouse sua consciência em meu colo, aqui você pode desfalecer sua mente sem se preocupar
Descanse sua alma em meus punhos que o suor da batalha vale a pena por seu ar
Orquídea que nunca soube ser flor
Nunca quis meu calor, orquídea

Submit Translation Add to playlist Size Tab Print Correct