Nem Um Adeus, Nada

Gilberto e Gilmar

Mais uma vez te procuro pela cidade
Mais uma vez bate forte a dor da saudade
Entre uma esquina e outra aumenta a esperança
A noite vem e amanhece, meu corpo não cansa
Vou me levando sem rumo e pagando o preço
De tudo restou uma carta, mas sem endereço

Nada, nem um adeus, nada
O que sobrou foram mágoas
Escondidas no seu coração
Nada, nem um adeus, nada
Que me deixou pelos cantos
Prisioneiro dessa solidão

Volto pra casa outra vez só pensando nela
Entre um trago e outro eu olho a janela
Por um instante procuro as fotografias
Mas fico sem jeito, as gavetas tão todas vazias

Nada, nem um adeus, nada
O que sobrou foram mágoas
Escondidas no seu coração
Nada, nem um adeus, nada
Que me deixou pelos cantos
Prisioneiro dessa solidão

Nada, nem um adeus, nada
O que sobrou foram mágoas
Escondidas no seu coração
Nada, nem um adeus, nada
Que me deixou pelos cantos
Prisioneiro dessa solidão

Nada, nem um adeus, nada
O que sobrou foram mágoas
Escondidas no seu coração
Nada, nem um adeus, nada