O Comboio da Meia-noite

Marco Paulo

vistas 20

Esta triste cidade
Para sempre vou deixar
Aqui não fica nada
Que me obrigue a cá voltar

Tenho uma rosa à espera
Uma rosa que me quer
Parece a primavera
Com corpo de mulher

Chegou o que me esperava
Nesse dia em que a deixei
Quanto mais me afastava
Mais solidão encontrei

Custou-me a despedida
Mas que havia de fazer
Do que a agarrar a vida
Trabalhar para viver

Partirei à meia-noite
No combóio mais veloz
Acabam-se as incertezas
E as distâncias entre nós

Partirei à meia-noite
No combóio mais veloz
Acabam-se as incertezas
E as distâncias entre nós

Trabalhei tantos meses
Tanto tempo esperei
Aguardo na estação impaciente
Pelo momento que eu tanto sonhei

Partirei à meia-noite
No combóio mais veloz
Acabam-se as incertezas
E as distâncias entre nós

Chegou o que me esperava
Nesse dia em que a deixei
Quanto mais me afastava
Mais solidão encontrei

Custou-me a despedida
Mas que havia de fazer
Do que a agarrar a vida
Trabalhar para viver

Partirei à meia-noite
No combóio mais veloz
Acabam-se as incertezas
E as distâncias entre nós

Partirei à meia-noite
No combóio mais veloz
Acabam-se as incertezas
E as distâncias entre nós

Partirei à meia-noite
No combóio mais veloz
Acabam-se as incertezas
E as distâncias entre nós

Partirei à meia-noite
No combóio mais veloz
Acabam-se as incertezas
E as distâncias entre nós