vistas 9
Foto del artista Pineapple

Minha Última Letra

Pineapple


Yeah
César MC
Do morro do Quadro pro mundo
Das batalhas, pra guerra

É que o pai não tá full, tipo Sun Tzu
Catando meus cacos
Arte em meio à guerra? De fato!
Enquanto a alma berra fracasso em meus atos
Eu faço por amor e isso não é teatro
É pela periferia escura e isso é claro
Mas essa hipocrisia satura e eu tô farto
Pois quando eu sangrei foi sozin' no meu quarto
Então não me peça pra por poesia no prato, não
Militança, jão? É gueto em ascensão!
Para lutar por pão e também resistir
Quantas vez, irmão, Enquadro sem noção?
Taxado de ladrão e eu tive que assistir
Dizem que é ficção, só vendo as facção
Se acha que é ilusão, é só subir aqui
O mundo é frio e vão, gotas de sedução
Caminho nesse chão, mas eu não sou daqui

Eu não sou daqui, yeah
E não ando só
Mas eu tenho amor, yah

Se essa for a minha última letra
Avisa pro rap que eu saí do jogo
Virei madrugada sangrando a caneta
E suando pra cena que aplaude tão pouco
Então, se essa for minha última letra
Avisa pra Deus que Ele tinha razão
O mundo é imundo e o medo do fundo
É que embaça a resposta que traz salvação
Avisa meus manos que o crime é cilada
E o brilho da trilha é mais uma emboscada
E tudo é só nada e nada diz tudo
Vão dizer: Dá nada, até que se vá tudo
Então, se essa for minha última letra
Avisa o papai que desculpa, o errado sou eu
E a mamãe que bem que ela avisou
Inventei de sonhar sem sombrinha lá fora e choveu

Yeah, yeah
O mundo é mau, irmão, o caos é nítido
Joga ou recua, então, não vou menti pra tu
Se o assunto é rua, jão, esquece o síndico!

Bando de sínicos, corrompem vínculos
No meu limite tô, e é bom que evite-os
Se os sonhos vão ao chão, então levite-os
Asas se formarão em precipícios
Dane-se o mundo são, eu vim do hospício
Lá fiz o meu sarau, saí invicto
Se a era informação traz suicídios
A fé é a explicação além dos livros
E o meu flow é um pitbull em meio essa treta
Farejo justiça até o fim da ampulheta
Maldade de terno, gravata e prancheta
Mas mesmo no inferno eu abraço a caneta
Buscando sonhos na lage, eu corto e aparo
Eles querem meu mal e eu já sinto no faro
Quem tá na maldade sempre dá sinal
E eu tipo motô do busão, até vejo, mas não paro

Se essa for minha última letra
Se essa for minha última letra
Avisa pra ela que o sorriso dela não faz mais efeito, não
A droga do sorriso dela, que a deixava tão bela
Mesmo eu sendo fera, meu tempo parava
Pra ver seu sorriso perfeito

Ahn, do morro do quadro pro mundo
Eternizando freestyle na esquina
Eu rimei pra ter tudo que tenho (tudo que tenho)
Mas tudo que tenho é a próxima rima

E na quebrada escuto plaw
Lá de fora o tiro mata o menino que voltava do trampo pro morro
O que fica são prantos da mãe, o latido dos cães e gritos de socorro
Pipas e drones, o home e as cores
Na terra de iPhones, seringas e flores
Avisa aos irmão que diz que o rap é união
Que vão mudar de opinião se pisarem nos bastidores
Se essa for minha última bala
Miro na depressão até a última linha
Pois vidas que se vão num sentimento de ilusão
Mas malandra é a solidão que nunca caminhou sozinha
Me jogaram no fundo do poço
Lá trombei com a Samara, a famosa menina
Chorando ela me disse: Cuidado, seu moço
Da última vez que subi, tinha monstros lá em cima

E se essa for minha última frase
Confesso que sempre escutei os ateus
O louco é que tudo que eles disseram (ahn)
De alguma forma me leva pra Deus