A rosa dos ventos
Ao sul devir
Eu vim
Em pó de estrela
De um azul piscina
Imã
Eu alvo de mim
O vírus, o vídeo, a tela,
O que me incrimina.
O que tu és, ou contra o teu,
Se és...
Eu me desligo
E descontinuo
Um prometeu,
A sina, o bico do abutre,
O sol a pino,
A pele argentina
Desloco-me assim,
Por partes
E reparto-me
Proto, pós, até,
Eu traduzido
Num deserto de avenidas
Aos pedaços
Crivo o que ainda não está perdido
Um olhar tão duro
Atira, risca, abala,
Treme, e nos silencia.
A pua, a lei, a lâmina afia.
Não sei mais se sei
Se sou, ou, o que eu deveria.
Não identifico nada
Nesse signo,
A reza, o templo,
Se o que brilha é ouro,
O altar de um deus da língua
A fala, o verbo, a imagem,
Os chifres de um touro
Fragmento
Visto pelo avesso, à vela,
O mundo,
Em verdade, creio:
Gene do futuro abstrato
O sujeito humano,
O clarão-escuro.
A razão dos ventos
Zune, assopra o fogo
Entenda-se a filosofia
A mosca, o centro,
O x da questão
Retenho na mira, na pontaria.

O que me alimenta - mata,
Com o que me envenenam eu curo.

Send Translation Add to playlist Size Tab Print Correct