E Que Tudo Mais Vá Para o Céu

Belchior


Um dia você me falou, em Andaluzia e em Valladolid
Granada fica além do mar, na Espanha
Molhou em meu vinho seu pão
E também me falou em coisas do Brasil
O FMI, Tom, poeta tombado na guerra civil

O homem da máquina então, então me falou
Vá embora poeta maldito!
O teu tempo maldito também já terminou

E eu fui embora sorrindo, sem ligar pra nada; como vou ligar
Para essas coisas quando eu tenho a alma apaixonada?

Mas teu cabelo é mais negro que o negro
Da asa da graúna, de um negro mais sutil
Preto como os tipos pretos que compõem a palavra anil

E à noite eu entro no CinemaScope
Tecnicolor, World Vision, daqueles de cowboy
De que vale a minha boa vida de playboy?
E eu compro este ópio barato
Por duas gâmbias, pouco mais
Mas como dói... Eu entro num estádio e a solidão me rói

E eu quero mandar para o alto
O que eles pensam em mandar para o beleléu
E que tudo mais vá para o céu

E eu quero mandar para o alto
O que eles pensam em mandar para o beleléu
E que tudo mais vá para o céu
E que tudo mais vá para o céu
E que tudo mais vá para o céu

Submit Translation Add to playlist Size Tab Print Correct
Written by: Belchior / Jorge Mautner. Isn't this right? Let us know.