Ancestralidade nos devolve a coragem de lutar
Pela justiça pela paz e a verdade
E chegou a hora de retomar a identidade
E com sororidade lutamos por igualdade
E eu sei de onde eu vim
Eu sei pra onde eu vou
Eu vou ali pegar de volta tudo que ele nos tirou
Mas eu não vou sozinha, não
Convoco todas as bruxas pra fazer revolução

Peço que caiam todas as fronteiras
Sem boas maneiras
Hoje nós viemos retomar
Peço que caiam todas as fronteiras
Sem boas maneiras
Hoje nós viemos retomar

Chegamos pra retomada só peço proteção
Empretece as palavras
Tomem outra direção
Esconderam minha origem
Plantaram a rejeição
Negar se negue, não foi em vão
Reconhecimento entre nós potencializa a força
Enquanto vocês tentam nos virar
O tempo todo uma contra a outra
Cê acha mesmo que eu tô neutra
Cidade, campo, ponte, aldeia, quilombo
Como eu poderia dormir bem?

Agronegócio, genocídio e nós?
Retomando territórios ancestrais
Costumes tradicionais
Língua, dança, trança, voz
Calma que ainda vai ter mais
Katu, fala pra nós

Pensaram que ficamos pra trás
Que não íamos correr atrás
A gente não só fala mas faz (devolvam)
Genocídio, escravidão e machismo nunca mais
Genocídio, escravidão e machismo nunca mais

Uma preta querendo ser branca, tudo bem né
Na hora do carinho cês faz em quem?
Sou cria de tia Eva, bruxa, curandeira
Cuidava da coluna, idade, sem escolha, fui guerreira
Guiada pelas matas, parteira
Medicina matriarcal, raiz divina
Mulher que ensina cês abomina
Aprende a responder desde menina

Peço que caiam todas as fronteiras
Sem boas maneiras
Hoje nós viemos retomar
Peço que caiam todas as fronteiras
Sem boas maneiras
Hoje nós viemos retomar

Recuperação
Dos espaços que nos pertencem
Calar a voz que sempre nos faz duvidar
Reparação
Deixe crescer as nossas sementes
A revolta vai fazer eu tomar o meu lugar
Demarcação
Devolvam as nossas terras
O agro não é pop, parem de nós matar
Libertação, libertação
Se não for nós vai ser quem?

Send Translation Add to playlist Size Tab Print Correct