Macunaíma (Herói de Nossa Gente) (Portela - Samba-Enredo 1975)

Angela Maria


Portela apresenta
Do folclore tradições
Milagres do sertão à mata virgem
Assombrada com mil tentações
Cy, a rainha mãe do mato, oi
Macunaíma fascinou
Ao luar se fez poema
Mas ao filho encarnado
Toda maldição legou

Macunaíma índio branco catimbeiro
Negro sonso feiticeiro
Mata a cobra e dá um nó

Cy, em forma de estrela
À Macunaíma dá
Um talismã que ele perde e sai a vagar
Ora encanta
Canta o uirapuru e encanta
Liberta a mágoa do seu triste coração
Negrinho do pastoreio foi a sua salvação
E derrotando o gigante
Era uma vez Piaiman
Macunaíma volta com o muiraquitã
Marupiara na luta e no amor
Quando para a pedra para sempre o monstro levou
O nosso herói assim cantou

Vou-me embora, vou-me embora
Eu aqui volto mais não
Vou morar no infinito
E virar constelação

Vou-me embora
Vou-me embora
Eu aqui volto mais não
Vou morar no infinito e virar constelação

Portela apresenta
Portela apresenta
Do folclore e tradições
Milagres do sertão à mata virgem
Assombrada com mil tentações
Se a rainha, mãe do mato, oi
Macunaíma fascinou
Ao luar ser fez poema
Mas ao filho encarnado
Toda maldição levou

Macunaíma, índio branco catimbeiro
Negro sonso e feiticeiro
Mata a cobra e dá um nó

Se, em forma de estrela
A Macunaíma dá
Um talismã que ele perde e saí a vagar
Ora encanta
Canta o Uirapuru e encanta
Liberta a mágoa do seu triste coração
Negrinho do pastoreio foi a sua salvação
E derrotando o gigante era uma vez que imã
Macunaíma volta como o Iraquitan
Para anuviar na luta e no amor
Quando sua pedra para sempre o monstro levou
O nosso herói assim cantou

Send Translation Add to playlist Size Tab Print Correct