Houve um tempo em que ela acreditou
Brincou de sonhar
Errou em amar
A pessoa errada
E como a vida é uma escada
Ela tinha que escorregar só pra provar

Antes de sair colocou o seu melhor perfume, e como de costume
Ela prometeu pra si mesma
Que ali com ele naquela mesa
Iria se entregar sem medo de errar mais uma vez

Ninguém entende o coração
E hoje tudo não passa de opção
Vivemos momentos, tormentos
Como doentes tentando acertar

Então sorria
A vida é curta e tem pouca alegria
Menina sai logo daí
Cuidado pra não sentir
E se machucar

No seu quarto um retrato
Ela esquece do mundo e de tudo
Obcecada, deita, espera uma ligação
Mas não enxerga que aquilo é sua próxima ilusão

Quem roubou? Quem jurou?
Quem é inocente o bastante
Em acreditar, em tentar?