Eu vejo alguns passos por cima das águas
E a voz me dizendo: Navega
Um mar furioso me diz o oposto
Mas sei que essa voz nunca erra

Peguei minhas coisas pra sumir do mundo
Mas vi que aqui nada se leva
A morte tá sempre me olhando nos olhos
E, às vezes, parece que flerta

O caos desse mundo me afeta
O caos desse mundo me afeta
O caos desse mundo é frio, profundo
Me afaga, me afoga e me afeta

Quem é que se atrеve a falar de amor
Nessе mundo travado de treva?
As piores prisões são aquelas que fazem
Pensar que a porta tá aberta

A voz tá dizendo: Navega
A voz tá dizendo: Navega
Navega, navega, navega
Navega, navega, navega

A voz tá dizendo: Navega
A voz tá dizendo: Navega
Navega, navega, navega
Navega, navega, navega

Eu perguntei a Deus por que o mundo parou
Ele me perguntou por que o mundo corria
Essa pergunta me paralisou
Pois, de alguma forma, ela me respondia

Como de costume, a cura era a careta
Nos apaixonamos por anestesia
E por não saber lidar com nossa própria treta
Julgamos que a cura já não existia
Entre cédulas e pétalas, pérolas e pílulas
E fábulas tão frívolas, o ego aqui é só uma película
E não dá pra sustentar, mesmo que minta
A vida é dura e tanto bate até que trinca
Exigimos uma prova que comprove Deus
Até ver a nossa vida por um fio
Nenhuma equação ainda respondeu
Qual a conta que preenche esse vazio

Preste atenção nas coisas invisíveis
Perceba o quanto são palpáveis
Preste atenção nos homens insensíveis
Perceba o quanto eles são frágeis

O pior ignorante é o que jura que sabe
A mais suja das mentiras é meia verdade
Mergulhe, nem sempre o fundo afoga
Seja bem-vindo ao fim do mundo
Essa aqui é a trilha sonora

(Seja bem-vindo ao fim do mundo)
(Essa aqui é a trilha sonora)
(Essa aqui é a trilha sonora)
(Essa aqui é a trilha sonora)

Eu sinto saudade daquela idade
Onde a vida era só o escorrega
O nosso egoísmo é sujo, inútil
Mesquinho, assassino e brega

Minha mãe dizia: Cuidado, menino
Não corre, que o mal não espera
Quem é que se atreve a brincar de pique
No mundo onde a morte te pega?

A voz tá dizendo: Navega
A voz tá dizendo: Navega
Pimenta no olho do pobre não arde
Não queima, não dói e não cega

Esquerda e direita é só um cruzamento
Onde todos reclamam da seta
Mas ninguém avança, somos só crianças
Brincando de ver quem mais erra

Ninguém tem razão nessa merda
Me diz quem tem razão nessa merda
A vida é um sopro e a busca do topo
Nos deixa tão perto da queda
A estrada do ego é feita de vidro
Cuidado que um dia ela quebra

Submit Translation Add to playlist Size Tab Print Correct
Written by: César Mc. Isn't this right? Let us know.
Sent by Dimitria. Subtitled by Demigod. Revised by 2 people . Did you see an error? Send us your revision.