Photo of the artist Dealema

A cova que eu cavo

Dealema


Refrão 1:
Sonhos de infância que vemos a desvanecer
E o tempo que parecia parado agora passa a correr...


Enquanto caminhas com o sol à frente
Viras costas à destruição e ao desmoronamento
A vida é como é, como conheces, como aprendes
Até que ponto estás atento?
Ainda te dás ao trabalho de olhar para trás
Será que queres saber mais?
Põe em causa toda a tua infância, toda a tua vivência
Sabes que existe mais
Para além do horizonte que é imposto
Para além do acreditar no que é suposto
Para além das chaves, muralhas ou grades, berços de
ouro ou cicatrizes no rosto
Já contaste os amigos que tens?
Quem morreria por ti? Quem te quer bem?
A amizade é sólida como uma rocha quando a verdade não
é hipócrita
Vês pessoas vitimizadas que pedem satisfação com a
riqueza na mão
Quanto mais sabes, mais sofres
Quanto mais vives intensamente, mais morres por
dentro
Bem-vindo à vida, 360º graus de sentimento
Limpa a raiva da cara
Pergunto de novo: até que ponto estás atento?
Será que o teu coração aguenta suportar, sentir que
tudo está mal?
A infelicidade na alienação a uma vida normal é
brutal
Não perdi a fé no homem, mas a desilusão rouba-me a
energia
Bato no fundo, respiro fundo, saio do fundo salvo pela
vida


Refrão 2:
O mundo é estranho, a vida é sentimento e lixo
Uma fracção de tempo num só pensamento torna tudo
limpo
Espaço e vento, perdes a noção do que vais vendo no
caminho
Cristalino, a lágrima descarta o sofrimento


Toda a gente quer que eu seja aquilo que eles querem
que eu seja
Não frequento a igreja
Não tenho intermediários
Falo com Deus directamente do meu santuário
Chamam-me reaccionário
Mas se é assim foi por ter pensado por mim
Ter tido a coragem de ser diferente
Lidar com a rejeição, seguir em frente
Não quis ir de negro até à Universidade
Ao funeral da minha integridade pessoal
Já quis seguir pegadas
Agora crio as minhas passadas
Crianças são limitadas por uma falta noção da
realidade que as rodeia
Criam barreiras entre a sua mente e imaginação
Vemos escolas em degradação


Refrão 2:
O mundo é estranho, a vida é sentimento e lixo
Uma fracção de tempo num só pensamento torna tudo
limpo
Espaço e vento, perdes a noção do que vais vendo no
caminho
Cristalino, a lágrima descarta o sofrimento


Refrão 1:
Sonhos de infância que vemos a desvanecer
E o tempo que parecia parado agora passa a correr...

Send Translation Add to playlist Size Tab Print Correct