São linhas no papel, contam
Estrelas no céu, falam das vergas
Do chão
São coisas de alma adentro,
Vertendo sentimento,direto do
Coração
Assim meu verso é feito, vai
Saindo cá do peito, parece querer
Viver
Pra cantar campo e cidade, pelas
Raias da verdade, bem sabe o que
Quer dizer

Meu verso também mora na roseta
Das esporas, refletindo sol e lua
Mesmo verso que aquece o
Gaúcho que adormece pela frieza
Das ruas…
Assim é que o verso andeja todo o
Universo que é urbano e é rural
E faz um bom abrigo nas palavras
De um amigo, por sincero e por
Leal!!!

Meu verso mora no arreio, não
Refuga tempo feio, segue
Aguentando o repuxo,
Pra cantar sem falsidade, um
Manifesto à liberdade, na voz
Do povo gaúcho!!!
Já morou pelas barrancas,
Revolveu areias brancas, águas
De rio e de março
Hoje mora nas retinas da minha
Gente sulina, quer não cansa de
Sonhar!

Se o verso habita um sonho, cada
Rima que componho vai buscando
Seu espaço
Pra depois pegar carona no
Acorde, um novo passo
Assim é que segue adiante, feito
Vento em levante, soprando a
Esperança
Sem exata dimensão, tem a força
Da canção, em cada nota que
Alcança!

A cada aurora, meu acorda
Lá fora, bem junto ao canto dos
Galos
Bem ao mesmo tempo, acorda
Peão de apartamento, que sequer
Anda a cavalo…
E são várias paisagens, mas
Somente uma mensagem, no
Verso que se expande
Sem sotaque nem fronteira, só
Respeita uma bandeira com brasão
Do meu rio grande!

Send Translation Add to playlist Size Tab Print Correct