Blues da solidão
(Vinicius Castro)


Eu quero a força do equilibrista do sinal
Eu quero o dedo e o pincel
Dos pintores da central

E a esperança de todo ator sem camarim
Eu quero o medo e o segredo
De todos botequins

Eu quero a ambição sem fim
Desses artistas sem futuro
Eu quero tudo só pra mim

Eu quero a alma de um cantor de bar vazio
Que insiste em cantar
Eu quero a alma de um cantor de bar vazio
Que insiste em cantar

Eu quero a sina desses poetas de esquina
Eu quero os versos e os quartetos
Dos sonetos da menina

E os desenhos, caricaturas de verdade
Eu quero o dom do desenhista
Lá do centro da cidade

Eu quero a solidão sem fim
Desses artistas sem futuro
Eu quero tudo só pra mim

Eu quero a alma de um cantor de bar vazio
Que insiste em cantar
Eu quero a alma de um cantor de bar vazio
Que insiste em cantar

Send Translation Add to playlist Size Tab Print Correct